segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

TURISMO RURAL E IMPACTOS DO TURISMO

Os eventos internacionais que acontecerão no Brasil nos próximos anos a Copa do Mundo 2014 e as Olimpíadas 2016 irão fomentar e desenvolver a atividade turística. Neste sentido, o planejamento turístico e a estruturação, assim como o monitoramento dos destinos são fundamentais para o desenvolvimento sustentável das localidades. 
Considerando a segmentação do turismo, o tema sol e mar é o tema mais praticado no Brasil. No entanto, um tema muito importante para o desenvolvimento dos espaços rurais e para o desenvolvimento regional do interior do Brasil, o Turismo Rural, poderia incrementar as opções de destinos dos turistas que visitarão o país.
O turismo rural pode ser uma alternativa para adicionar valor e incrementar a atividade agrícola. Orientando a atividade turística para o desenvolvimento regional rural, através do planejamento sustentável. Segundo o MTur (2008), O turismo rural  é considerado um conjunto de atividades turísticas desenvolvidas no meio rural, comprometida com a produção agropecuária, agregando valor a produtos e serviços, resgatando e promovendo o patrimônio natural e cultural da comunidade.
De acordo Altieri (2004, p. 109) “As populações aumentaram, as propriedades rurais estão ficando menores, o ambiente está se degradando, a produção de alimentos estagnou ou está diminuindo”.
Conforme SILVA  et al. (1997), O turismo em áreas rurais no Brasil é visto como fonte adicional de geração de emprego e renda para famílias residentes no campo, à medida que vem decaindo a ocupação e as rendas provenientes das atividades agropecuárias.
Interligada com as atividades da agricultura no espaço rural, temos mais um tipo de atividade de produção no campo, o Turismo Rural, gerador de uma nova fonte de renda para os agricultores. Causando revalorização do modo de vida e o surgimento de novas funções econômicas, sociais e ambientais para o espaço rural. Pode ocorrer nas regiões dos destinos rurais à valorização dos patrimônios e produtos locais, a conservação do meio ambiente, a atração de investimentos públicos e privados em infraestrutura para os locais onde se desenvolve. (MTur, 2008)
Já para Freitas (2003), o turismo rural deve ser encarado como uma atividade complementar na economia rural, inserida de forma harmoniosa com as demais atividades existentes, assim é necessário que a implantação se dê de forma sustentável, seguindo certas diretrizes e estratégias de um planejamento integrado.
O turismo provocará impactos positivos e negativos no ambiente, tendo em vista a complexidade das reações de interdependência entre seus elementos. Os efeitos desses impactos ocorrerão no tempo e no espaço, envolvendo o homem, a sociedade e o entorno natural (FERRETTI, 2002)
De acordo com Ruschmann (1997 p.34), conceitua “os impactos do turismo referem-se a gama de modificações ou à seqüência de eventos provocados pelo processo de desenvolvimento turístico nas localidades receptoras”.
A falta de controle e monitoramento nas localidades turísticas são os principais motivos de degradação ambiental, a escassa legislação na área e a falta de fiscalização são fatores de risco para a construção do turismo sustentável segundo (Swarbrooke, 2000).
O turismo causa impactos econômicos, sociais e ambientais, estes podem ser irreversíveis.Os cuidados com a atividade turística de forma complementar devem ser considerados, pois o turismo ocasiona as mudanças e desenvolvimento. De acordo com Veiga (2006), o desenvolvimento é um processo aberto e cria complexidade e diversidade, porque cria múltimas generalidades, são fontes para múltiplas diversificações simultâneas e paralelas e outras em seqüência.
Portanto, para a execução do turismo rural e o desenvolvimento rural, a criação de políticas públicas  planejamento e monitoramento da atividade é fundamental para mitigar os impactos do turismo. Além disso, são necessárias a utilização de metodologias para o controle da atividade nos espaços rurais.


Referências Bibliográficas

ALTIERI, M.A. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. Ponto Alegre: Editora UFRGS, 2004.
BEGON, M.; TOWNSEND, C. R.; HARPER, J. L. Fundamentos em ecologia. Porto
Alegre: Artmed, 2009. 592
FERRETTI, E.  R. Turismo e meio ambiente. 1ª ed. São Paulo, SP: Roca, 2002.
MTur, Ministério do Turismo. Turismo Rural: Orientações Básicas 2008. Disponível <
RUSCHMANN. D, Turismo e Planejamento Sustentável.Campinas, SP: Papirus, 1997.
VEIGA, J.E. Meio ambiente e desenvolvimento. São Paulo: SENAC, 2006. 180p.
SWARBROOKE, J. Turismo sustentável: turismo cultural, ecoturismo e ética. São Paulo: Aleph, 2000.
SILVA, José Graziano da; GROSSI, Mauro Eduardo Dcl. Evolução da renda nas
famílias agrícolas e rurais: Brasil, 1992/97. Reunião anual da Anpec, Belém do
Pará, 1999.Disponível em: <3 co.unicamp.br/publicações>, acesso maio de 2004.