terça-feira, 29 de novembro de 2011

BOM ATENDIMENTO NO SETOR TURÍSTICO X BAIXOS SALÁRIOS E A FALTA DE PROFISSIONALIZAÇÃO.



A decisão do destino a ser escolhido por alguém depende de uma série de fatores, dentre eles estão os atrativos turísticos, a hospitalidade do local, os eventos disponíveis, a estrutura oferecida, sinalização adequada, transporte de qualidade, segurança etc. Além disso, os hotéis, as agências de viagens, os guias, as locadoras de veículos, o entretenimento e os serviços prestados ao turista, devem ser adequadamente preparados para oferecer um atendimento de qualidade ao turista (FECOMÉRICO SP).
O atendimento de qualidade depende exclusivamente da relação de dependência entre o atendente, a organização e o cliente. (CARVALHO, 1999) Na relação apresentada, o atendente tem uma função muito importante, porque tem que está focado na satisfação do cliente, respeitando as normas e padronizações da empresa.
No entanto, os empresários de turismo do Brasil não compreendem que o fator recursos humano é seu melhor diferencial. Conforme a CATHO (2005), “Na questão dos salários fixos o ramo Hoteleiro e de Turismo ocupa a última posição entre os ramos econômicos. Essa colocação é explicada pela pouca profissionalização da mão-de-obra apesar dos constantes e volumosos investimentos no setor.”
Os fatores que impulsionam esta realidade do setor são a mão de obra intensiva, de períodos de atividade sazonal e irregular, apresentando tendências para empregar mão de obra barata.
Ao longo dos anos nada mudou, mesmo com o crescimento do setor, a falta de qualidade e profissionalização da atividade turística é preocupante. Como afirma Trigo (2003), Um dos problemas do turismo brasileiro é de qualidade mesmo. Qualidade, assim como competência, não é um preconceito ou uma ideologia burguesa. Quem é contra padrões de qualidade ou não sabe o que está falando ou quer, talvez inconscientemente, justificar suas próprias carências profissionais. Evidentemente o campo educacional não pode se limitar a padrões de qualidade medíocres ou formais.
Não podemos deixar continuar este círculo vicioso, onde os fatores sazonais do turismo sempre são relacionados com a contratação de mão-de-obra barata e conseqüentemente a baixa qualidade do setor. Os empresários do turismo devem agir de maneira coerente, contratar profissionais e pagar o preço justo por seus bons serviços. Agindo desta maneira a satisfação do turista estará garantida.


CARVALHO, Pedro Carlos de. Administração mercadológica. 1.ed. Campinas: Editora Alínea. 1999. 233p.
http://www.fecomercio.com.br/arquivos/outros/3b2445c346_turismo.pdf
http://www3.catho.com.br/salario/action//artigos/Remuneracao_entre_os_ramos_de_atividade_economica.php
TRIGO - http://www.etur.com.br/conteudocompleto.asp?IDConteudo=875